terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Salas...


Ouvimos o pagear do tempo... Dos movimentos.
Em paredes lentas, corto os dias... Sementes de mim.
Gosto de pêssego... De lambidas na face... De maçã em arte.
Salas e suas cores simples... Cortinas de água cristalina.
Pedras soltas... Na tua memória... Cordas.
Alinho os monumentos... Crio das salas, saias molhadas na cachoeira.
Recortas o vento... Presenteia-me com rotas... Nossas asas...
Mascavo bolo... Salas de estar... Salas coloridas...
As salas soltas... Cortinas de lenços finos...
Ando solta pelos campos do nosso passado... Selo as cartas, rotino os dias... E, depois, caio nos teus braços...Presente enlace.
Quatro paredes... Minha árvore.

Um comentário:

Denis disse...

Olá.

Vim conhecer o seu blog.
Gostei muito... voltarei com mais tempo, com certeza.

Boa tarde.

;D